A propaganda

Imagino que no futuro ela vai ser muito diferente. Ao invés de sermos bombardeados por centenas de marcas diariamente, vai haver alguma forma de identificar quando falamos bem ou mal delas. Se falarmos bem – fazemos propaganda – ganhamos pontos de fidelidade, o que pode ser revertido em bônus na compra de produtos.

É como que se ao “twuitar” algo sobre a #Nike o Sistema gravasse a quantidade de potenciais compradores leram sua informação como formador de opinião (FO). Assim você vai sendo ranqueado tanto com a marca citada quanto como uma pessoa que tem um grande potencial de ser um forte FO.

Comments

SOS Santa Catarina – já fiz a minha parte, e você?

Doação SC

Seguindo o exemplo de diversos amigos e blogs resolvei fazer a minha parte para tentar, de alguma forma, amenizar a situação dos atingidos pelo desastre em Santa Catarina. Aproveitando o post da Lalai resolvi colocar meu comprovante por aqui na tentativa de estimular mais pessoas à ajudarem a causa. Para mais informações de como doar clique aqui.

Doação SC

Comments

Há 10 anos

Comecei a trabahar com front-end em meados de 1999, na TBA Internet. Na época eu trabalhava no help-desk e tinha alguma aptidão pela área. Comecei na equipe que dava manutenção nos sites da TBA e tive meus primeiros contatos com o Flash 2. Depois de quase um ano e meio “batendo cabeça” com HTML, CSS e Flash de forma bem amadora, comecei a trabalhar no Brasil em Tempo Real. Era uma empresa pequena onde eu era o responsável pela área técnica e por toda a produção do site.

Na época tínhamos um link dedicado e nosso servidor era uma máquina com Windows NT 4.0, SQL Server e Cold Fusion. Refiz a arquitetura (de informação) do site, amadureci a idéia deles para uma nova marca e começamos o planejamento para a migração para um ambiente mais estável, já que com a configuração atual, tínhamos que dar um boot diariamento no servidor web porque o SQL simplismente parava de responder. A migração aconteceu em paralelo e optamos por migrar para Linux com PHP e Mysql. Eu fiz toda a migração dos dados e, no processo, modifiquei muita coisa do sistema para uma versão mais eficiente e com novos recursos para os jornalistas. A instalação e configuração do Linux (segurança principalmente) foi feita por um terceiro. Foi nessa migração que comecei a aprender um pouco de “tableless” que na época ainda não era difundido. Tínhamos muitas reclamações de demora do carregamento do site no IE porque só mostrava o site depois que ele renderizava a tabela em que o mesmo estava contido. Comecei a quebrar a cabeça com DIV’s e CSS para resolver o problema.

No final de 2001 comecei a trabalhar na AgênciaClick onde fui alocado no projeto da BrasilTelecom. No começo fiz muitos trabalhos de manutenção, mas depois que fui trabalhar dentro da agência comecei a pegar projetos mais interessantes. Nessa época, analisando hoje, eu ainda era muito amador. Tinha um bom conhecimento, mas fazia a maioria das coisas na tentativa e erro, e não porque sabia como era o correto. Fiz alguns projetos em Flash e outros com HTML / CSS/ javascript.

Em 2004 comecei no Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comério Exterior (MDIC) com o Régis, pela Poliedro. Nossa missão era fazer do site do MDIC o piloto para os sites do governo em usabilidade, acessibilidade e um novo enfoque de arquitetura de informação – trazendo o conteúdo de forma melhor apresentada para o usuário. Foi então que eu comecei a aprender CSS de verdade. Já existia o termo “tableless” e a intenção era trabalhar em três camadas (HTML / CSS / javascript) produzindo um produto que fosse acessível de qualquer dispositivo. Pesquisei muita coisa no A List Apart (ALA), Quirks Mode, CSS Zengarden, e outros grandes sites. Fiquei afastado de Flash, mas aprendi muito HTML e CSS.

Finalmente me mudei para São Paulo. Em janeiro de 2005 comecei na AgênciaClick onde trabalhei focado em Flash com clientes como o Carrefour e Coca-Cola. No primeiro projeto de Carrefour comecei a trabalhar com Flash Remoting e depois de alguns meses fui para o núcleo de Coca-Cola. Aprendi muito de AS2, Classes e apliquei de verdade os conceitos de orientação a objeto.

Pouco mais de um ano depois comecei a trabalhar no Guia Mais. O projeto que me exigiu mais tempo e dedicação foi o Planos.cl (guia de ruas do Chile). Entrei no começo do projeto e nossa meta era desenvolver um piloto para usar no Chile e futuramente substituir a versão existente no Brasil e outros da América Latina. Comecei a pesquisar muita coisa de bibliotecas javascript e após analisar o YUI, Dojo, Prototype + Scriptaculos optamos pela YUI, que na época ainda estava engatinhando, mas era a que tinha releases mais constantes e melhor suporte em termos de documentação e comunidade. O JQuery ainda não era muito forte e acabei nem avaliando. Pra mim foi um grande desafio, porque eu ainda não tinha desenvolvido nenhum aplicativo em javascript, e até mesmo o que eu tinha feito em Flash não chega perto no nível de complexidade que iria enfrentar nesse projeto. Aqui eu aprendi a trabalhar com javascript de verdade. Desde classes, como trabalhar simular variáveis privadas e públicas, qual a melhor forma de sintaxe a adotar, bugs em diversos browsers, muita manipulação de DOM, performance (principalmente no IE6), memory leak, compactação de código e várias outras coisas.

Nesso ponto eu já não tinha mais problemas em encarar qualquer desafio tanto em Flash como HTML / CSS / javascript. Mesmo AS3 sendo algo que, mesmo hoje, eu não tenho conhecimentos avançados, é uma questão de necessidade para eu aprender e dominar a linguagem. No GuiaMais, que depois se tornou GoNow com a venda do GuiaMais para a Listel, eu comecei a trabalhar com definição de processos e a ajudar na coordenação técnica da equipe. Em 2007 fui para a Wunderman onde voltei a trabalhar só com Flash e a ter um papel mais ativo de coordenação.

Hoje estou na LOV, sou o líder técnico de uma equipe de 4 pessoas e trabalho na produção tanto de projetos em Flash como HTML / CSS / javascript. Minha experiência em todas as empresas por que passei foram sempre focadas na área técnica e na definição de padrões / controle de qualidade. É o que eu tenho afinidade e sinto muito prazer em fazer. Gosto de encarar desafios e estou sempre disposto e aberto a mudanças para melhor.

Comments (1)

Foto da minha tattoo em blogs

Ontem, lendo meus feeds, descobri um post com fotos da minha tattoo.

O post que vi foi no Tattoo Blog, mas eles citam outro blog que foi onde acharam a foto originalmente.

No Tattoo Design tem um post sobre tatuagens de carpas. Eles escrevem:

This large Japanese Koi will be a beautiful artwork when completed.

Comments

Vende-se

Estou me mudando e tenho dois móveis para venda na Rua Bela Cintra na cidade de São Paulo. O transporte é por conta do comprador. Interessados favor entrar em contato pelo blog.

Clique nas imagens para ampliar.

Poltrona

R$ 400,00
Poltrona pé palito década de 60 reformada a 2 anos.

Sofá-cama

R$ 750,00
Sofá-cama modelo Rafaela da Etna.

Comments (1)

Tarantino’s Mind

Comments

Guitar Hero on Tour

Chegou ontem meu Guitar Hero on Tour! Depois de World of Warcraft, meu vício maior, meu Nintendo DS ganhou mais um acessório.

Guitar Hero on Tour

Recomendo! A jogabilidade é muito boa, só tem que tomar cuidado para não passar quatro horas jogando sem parar (né Igor? LOL), sua mão vai agradecer. E para quem tiver interesse eu recomendo o vendedor que comprei no Mercado Livre. Não estou ganhando nada para recomendá-lo. Optei pelo frete mais caro, mas realmente chegou em 5 dias. Vem lá dos EUA e não foi tarifado pelos Correios.

Comments (2)

Jornal online com foto minha

Hoje recebi uma mensagem no flick do editor do jornal jIAPS. A foto é usada na página seis do jornal na matéria sobre a poluição em São Paulo.

Hello!

I just wanted to thank you for licencing your photo ‘ghost buss‘ as cc, and to let you know that we’ve used it in our journal at issuu.com/jiaps/docs/2-2008/

Your photos are wonderful so it was good to find an excuse to use it in the journal.

Cheers,
Euan

Comments

Programador web procura

Depois de uma semana de férias começo a minha busca por um novo emprego. Se alguém souber de algo na área de web favor me indicar. 🙂

Aqui estão o currículo e portfolio atualizados.

Update: Estou trabalhando na LOV. =]

Comments (6)

Dicas fundamentais para comprar no MercadoLivre

Para muitas pessoas fazer compras online ainda não é uma realidade. Seja porque não confiam nos sites e têm medo de serem lesados, ou porque preferem a experiência de comprar algo que você pega e analisa fisicamente. Os sites de leilão têm um agravante ainda maior, que é o de você ter que confiar em terceiros, onde a chance de golpes e fraudes é ainda maior.

Eu já comprei bastante no MercadoLivre (ML) e acho que funciona muito bem se você tomar alguns cuidados básicos. Recentemente tentei efetuar duas compras e me deparei com empresas cadastradas como usuários e que me solicitavam o cadastro no site deles depois da compra finalizada. E esse tipo de usuário está banido da minha lista de possíveis compradores. O tempo de resposta deles é sempre muito maior do que uma pessoa como nós e a burocracia também é grande.

Então para aqueles que querem se aventurar no ML segue uma lista de dicas para facilitar suas vidas:

  • Sempre leia as qualificações do usuário que você vai comprar. Principalmente as negativas, porque ali você pode encontrar argumento para descartá-lo como um possível comprador. Nem sempre um vendedor com milhares de vendas é uma pessoa confiável. Já ouvi história de gente que vende perfis super bem qualificados por uma boa grana.
  • Faça perguntas sobre o produto. Tire todas as suas dúvidas antes de fechar a compra. E, principalmente, pergunte se você vai precisar se cadastrar em algum outro site depois de realizar a compra e se a transação vai ser descomplicada e rápida. Sempre que fecho uma compra, eu espero receber o produto em no máximo quatro dias se for feito transferência bancária e o envio for via sedex.
  • Procure no Google pelo nome (id) do comprador que está ofertando o produto. Se ele for uma loja você pode tentar comprar diretamente dele, e possivelmente o preço vai ser um pouco mais baixo que o do ML porque lá ele não precisa pagar a comissão que o ML cobra. Veja também se não tem ninguém falando mal ou reclamando dele. Muitos outros usuários postam em seus blogs ou foruns quando estão insatisfeitos com alguém.
  • No site do ML não tem nenhuma forma de contato. Quando você clica em Contato, você vai para uma página de Perguntas mais Freqüentes. Então se precisar enviar e-mail para eles use o seguinte endereço – crm.ml@mercadolivre.com. O endereço funciona e eu só o consegui porque qualifiquei um vendedor negativamente, ele reclamou com o ML e recebi um e-mail solicitando uma carta (e-mail) descrevendo todo o acontecido, e se não entrasse em contato em 72 horas minha qualificação negativa iria ser removida do usuário. Muito interessante isso não? Fiquei surpreso com essa postura ML.
  • E por último, segue um link se você precisar modificar alguma qualificação que você tenha feito – http://www.mercadolivre.com.br/jm/ml.faqs.applications.califmade.CalifChange. Também só consegui esse link depois do contato do CRM do ML.

Comments (3)

« Previous Page« Previous entries « Previous Page · Next Page » Next entries »Next Page »