Archive for February, 2006

Roda tudo

Eternamente alimetado pela vontade. Preso na roda da paixão, descobrindo como ser descoberto. Procurando e se entregando, errando ou acertando, um dia encontrando. Flutuando no ar, ancorado por desejos aliementados por sonhos intermináveis. Sempre na busca da perfeição. Lapdando cada aspecto do ser. Guerra diária sem trégua nem descanso. Quem sabe sozinho ainda porque tenta demais, exige demais, sonha demais…

Consolado pela certeza de um dia sossegar o coração. Aquietá-lo não do fogo da paixão, mas da busca angustiante por seu par, sua metade, sua companheira, sua eterna felicidade. É tão grande a necessidade de alguém para se dedicar, que sem isto, seu peito parece vazio, oco, frio. A razão atrapalha, mas a emoção afoga.

Precisa da confidência encontrada na confiança, da necessidade da convivência e da inocência da intimidade. E no fim faz um apelo ao músculo do peito: ou cála-te ou calo inerto no leito.

amf – 09.02.2006

Ouvindo: Violently Happy – Björk

Comments (1)

Relacionamentos

Existem 2 tipos de relacionamento. Um é o que você gosta mais da pessoa amada do que ela de você (1), e o outro é o que a pessoa amada gosta mais de você do que você dela (2).

Esta é uma análise bem racional e realista. Analisando alguns relacionamentos meus e de conhecidos, e conversando com alguns amigos verifiquei que esta é uma verdade incontestável. Bom, se você não concorda, provavelmente o seu relacionamento é o 1o tipo – você gosta mais da outra do que ela de você.

É sempre aquelas velhas reclamações – quem eu quero não me quer e quem me quer eu não quero. Porque eu sempre corro atras das pessoas erradas? Existe a metade da minha laranja? Como se mede se eu gosto mais do que ela do que ela de mim?

Pra mim é bem simples. Se eu tenho dúvidas, estou no 2o tipo de relacionamento, senão tenho, estou no 1o tipo. É muito gostoso quando os dois não têm dúvidas, ai chegamos num relacionamento equilibrado. Nesse caso saem os ‘casamentos’ e uniões que são duradouros e felizes. Quando a união não é por comodidade ou interesse, ela deve ser sempre quando não há dúvidas. Não recomendo ninguém a se “amarrar” por falta de opção. Se você pensa – ah, eu não vou achar ninguém melhor pra mim, é melhor eu ficar com ela. Ela me faz bem, e gosta de mim. – Eu não concordo muito, já que se você pensa assim, não tem certeza de que ama esta pessoa o suficiente pra envelhecer ao seu lado.

O que faz um relacionamento dar certo? Sexo? Cumplicidade? Respeito? Afinidades? Eu diria que existem três pontos básicos em todo relacionamento – sexo / atração física, sentimentos / amor e afinidades / intelecto. É preciso um certo equilíbrio nesses pontos para uma relação dar certo. Não adianta ter muito só 1 ou 2 porque é preciso que o tripé esteja equilibrado. As relações que costumam durar mais são aquelas onde o intelecto e o sentimento falam mais alto que a atração física. Normalmente uma relação que começa só com atração física e depois o sentimento ou o intelecto não batem, é uma relação sem futuro.

Algumas pessoas que conversei disseram que preferem relações do tipo 2, porque pra ela é bem mais confortável ter alguém muito fiel e que se dedique. Já as relações do tipo 1 são mais complicadas, porque elas não gostam de estar apaixonadas. É muita informação pra cabeça processar quando o coração está a todo vapor. Eu já penso o contrário. Sou viciado nas loucuras do coração. Eu não gosto de me envolver quando não existe algum ponto de ligação. É claro que estou falado de compromissos monogamicos duradouros – namoro, e por ai vai.

E a metade da laranja? A tampa da panela? Seria o tipo 3 de relacionamentos? Acho muito difícil de achar alguém que esteja tão apaixonado por você quanto você dela, ou vice-versa. E sempre tem algum impecílio no caminho. O mais normal é o timing. As vezes as pessoas certas se encontram, mas na hora errada. Mas isso é assunto pra uma outra hora.

amf – 02.02.2006

Ouvindo: Poney Part 1 – Vitalic

Comments (12)

Porque não?

Vivo constantemente na agonia da pura incerteza
Conto cada minutos dos dias intermináveis
Convivo com pensamentos que fervem na minha cabeça
Criando diversas possibilidade que provavelmente nunca acontecerão

Na montanha russa dos sentimentos minha barriga gira incanssávelmente
Minha cabeça gira e minhas mãos suam a toda hora
Movidas pelas borboletas da paixão voam desesperadamente

Isso é tortura que me consome sem parar
Não consigo controlar minhas emoções
Você é o foco das mihas ações
Passo os dias sonhando acordado

Sinto medo, vontade, ansiedade
Não quero parar, não quero pensar
Se o tempo não para, porque passa tão devagar?

Porque tudo é tão complicado?
O coração bate forte sem parar
Deveria ser mais fácil, fácil como saltar
Fechar os olhos sem olhar, acreditar e pular!

Eu quero voar, preciso voar
Acredito em você e sei exatamente o que sinto
Tenho asas e conheço o caminho a percorrer

Porque não?

amf – 01.02.2006

Ouvindo: Without You I’m Nothing – Placebo

Comments (6)