altos e baixos

É no ciclo que vivemos, que sofremos, que sorrimos. É engraçado observar os ciclos que passamos. Bioritmo seria o nome? Não sei…

Na dualidade nós vivemos. E temos de aprender a conviver com ela. Estamos por cima ou por baixo. Você já tentou entender o mecanismo? É muito simples, veja uma criança que deseja tanto um brinquedo que faria qualquer coisa pra tê-lo. Se comporta o ano todo, e tudo por causa do brinquedo tão esperado. Dá-lhe o brinquedo e verá sua alegria transbordando de seus sorrisos. Toma de volta e verá o ódio em seus olhos. Porque tanto por um brinquedo?

Algo que vem de fora, que o alegra, não pode lhe trazer a completa felicidade. Isso é coisa que vem de dentro e que você carrega, independente do que está em volta. Mas e se essa felicidade é coisa que vem de dentro do coração, que lhe enquenta e te completa? Seria isso real ou apenas ilusão!? Só que vive sabe o que sentiu e ilusão assim não acredito ser possível. Ilusão é coisa que te engana e te magoa. Sentimento assim é bem real. É coisa que te completa, que te esquenta, que te alegra. Te faz cantar como passarinho o dia todo, sorrir como criança em qualquer lugar, você esquece que tem fome ou que está com frio, tudo isso só pra estar ali ao lado de quem te faça sentir assim.

Sentimento real é coisa séria, e é dificil encontrar por aí. Por isso se algum dia sentir alguém que sente isso por você não duvide nem por 1 segundo. Aproveito a oportunidade e abrace-a com todas as forças. Isso pode não acontecer de novo tão cedo… A fila anda e a vida segue. “Arrependa-se do que você fez e não do que poderia ter feito.” É uma dica que vale sempre ser lembrada em todos os momentos em que o coração fala mais alto que a razão. Esse que no peito bate é muito sábio, só precisamos de sensibilidade para ouvi-lo e não calá-lo com as coisas da razão.

Leave a Comment